PodCasts

12/04/2022

Inflação nos EUA sobre para 8,5% em 12 meses e Dólar cai, como assim?

A divulgação do CPI – Consumer Price Index (equivalente ao nosso IPCA) mostrou elevação de 1,2% no mês de março, renovando a expectativa de pressão sobre os preços na economia americana, fato preocupante. No momento em que a divulgação do CPI ocorreu, o Dólar caiu mais de 1% e as bolsas subiram. O que o mercado insinuou com isso foi que o resultado, alinhado com as expectativas, foi menos ruim do que o esperado. De todo jeito, essa é a maior inflação desde dezembro de 1981. Ao longo do dia parece que o sentimento do mercado mudou e a queda do Dólar junto com a subida das bolsas enfraqueceu. Há outros fatores que também influenciam os mercados, como a declaração de Putin que as conversas de trégua com a Ucrânia estão praticamente abandonadas. Mas o mercado ainda não decidiu, no final das contas, se o resultado da inflação americana foi positivo porque implica num cenário não tão negativo para a política de juros do FED ou se foi negativo porque sinaliza atividade mais fraca e possibilidade real de recessão em 2023. O resultado não deve mudar o posicionamento do FED em acelerar o ritmo de aumento dos juros e pode até aumentar a intensidade em sua próxima reunião de maio. Na última reunião, o FED aumentou os juros em 0,25 p.p. e talvez aumente o ritmo para 0,50 p.p. na reunião seguinte. Enquanto isso não acontece, muitos investidores continuam apostando no carry trade – aposta na diferença de juros pagos entre Brasil e EUA, para continuar aportando recursos no Brasil. Mas, a partir de maio, tudo pode mudar com os títulos de renda fixa americanos pagando mais.


11/04/2022

Barril de petróleo cai abaixo de US$100

Dólar se mantém nos R$ 4,70. Cadê o repasse para baixo da Petrobras? Como a política de paridade de preços internacionais funciona para elevação de preços, deveria funcionar para redução. Ou será que o preço brasileiro ainda está baixo? A Petrobras terá reunião do seu conselho nessa semana para aprovação dos novos presidentes da empresa e do conselho, mas a política de equalização com os preços internacionais não tem margem para ser alterada. Mas o contexto atual também deveria ajudar para um ajuste para baixo. O Dólar já vem se mantendo num patamar mais baixo que no início do ano, em torno de 20% abaixo da cotação de dezembro. O preço do barril de petróleo está abaixo dos US$ 100, uma queda de 40% do seu pico em março. Até agora, somente o gás teve uma leve redução em seu preço. Imagem barril de petróleo Nessa semana a OPEP+ se reúne em meio a pedidos para que aumentem sua oferta mundial de produção de petróleo com os embargos sendo usados contra a Rússia. Mas não deve ter grande surpresa por parte deles, principalmente porque a Rússia faz parte da organização e irá vetar. Os países membros da Agência Internacional de Energia (AIE) liberarão 60 milhões de barris nos próximos seis meses, com os EUA participando com uma liberação de 180 milhões de barris anunciada em março. Isso pode afetar ainda mais o preço do petróleo para baixo? Veremos. O que de fato está fazendo com que o preço internacional do barril de petróleo caia é a nova onda de contaminações por COVID-19 e suas consequentes reduções na atividade econômica na China. Cidades importantes estão em isolamento e os dados de atividade econômica em queda. Pode ser que a Petrobras reduza o preço dos combustíveis e devolva a forte variação do IPCA que aconteceu em março e que surpreendeu até mesmo o presidente do Banco Central. O IPCA precisa começar a ceder em abril para que o COPOM não eleve novamente a SELIC em maio.


10/04/2022

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


08/04/2022

Preços administrados pela Petrobras são responsáveis por 34,5% da alta de 1,62% do IPCA em março

Essa foi a maior elevação em 28 anos para esse mês. Com isso, o acumulado em 12 meses vai para 11,30% e representa mais um desafio para a próxima reunião do COPOM em maio. Gasolina, óleo diesel, gás de botijão e gás veicular representaram juntos 0,56 p.p. do IPCA de março. O maior impacto veio da gasolina, com alta de 6,95%, respondendo por 0,44 p.p. O problema é que o aumento se espalha nos demais itens que dependem desses insumos energéticos. Essa foi a maior taxa para meses de março desde 1994. Ou seja, em 28 anos, pouco antes da implantação do Plano Real. É também a maior inflação mensal desde janeiro de 2003 (2,25%). No acumulado de 12 meses, foi o maior patamar desde outubro de 2003, quando atingiu 13,98%. O desafio para o Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central em sua reunião de maio está ainda maior. Com uma expectativa de crescimento baixo para 2022, mas com inflação persistente, continuar elevando a SELIC vai piorar ainda mais o cenário econômico brasileiro. O ritmo da inflação deve ceder a partir de abril, mas vai depender do comportamento do preço do petróleo no mercado internacional. O Real tem se valorizado, ajudando a reduzir a pressão na parte cambial da composição do preço, mas as tensões internacionais ainda não diminuíram.


07/04/2022

Conta de luz pode cair até 20% em abril

Bolsonaro anunciou que a bandeira tarifária retornará para a cor verde, representando uma queda R$ 14,20 por 100 kwh nas contas de energia. O impacto na conta dos consumidores será importante e ainda maior na inflação, medida pelo IPCA. A inflação em 2022 continua pressionada, em grande parte pelo preço das commodities internacionais que tem subido desde o início do ano, mantendo o IPCA em patamares elevados, mesmo com os aumentos fortes da SELIC pelo Banco Central para tentar contê-la. A boa notícia é que os reservatórios de água das hidrelétricas estão cheios e levaram à retirada das bandeiras tarifárias com cobranças extras, reduzindo o custo da energia elétrica para a bandeira verde, pois não será mais necessário acionar termelétricas nesse período. Os consumidores terão uma redução de 20% nas suas contas, em média. A tarifa social continuará com os benefícios de até 65% de redução, dependendo da faixa de consumo. O impacto é direto na conta e indireto nas indústrias e serviços que usam energia elétrica como insumo. A notícia é muito importante porque traz um impacto, também, no ritmo de elevação do IPCA. A energia elétrica representa diretamente 5,07% do cálculo do IPCA. Indiretamente, seu impacto é multiplicado, pois afeta todos os tipos de negócios na economia brasileira. O Banco Central já esperava uma redução na bandeira tarifária a partir de maio, fazendo com que a inflação começasse o seu caminho de convergência para o teto da meta até dezembro. Outros componentes, como os combustíveis, também podem diminuir seu ritmo de elevação no período. O impacto já será sentido em abril com queda na pressão sobre o IPCA e trará um novo e positivo componente para a próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central para a sua reunião de maio. Talvez essa reunião já marque o encerramento do clico de alta da SELIC.


06/04/2022

Deutsche Bank é o primeiro banco a prever recessão nos EUA em 2023 após aperto monetário

A inflação nos EUA não está cedendo, pelo contrário, está mostrando sinais de contínua pressão, o aperto monetário se intensificará ao longo desse ano, trazendo recessão nos EUA em 2023. Esse foi o alerta apresentado pelo Deutsche Bank após analisar os dados atuais da conjuntura econômica americana. Outro indicador importante é que os juros dos títulos de longo prazo (10 anos) ficaram mais baixos que os de curto prazo (2 anos), uma inversão da curva de juros. Historicamente, quando isso acontece, significa que a economia americana entrará em recessão econômica logo adiante. Segundo o banco alemão, o PIB encolherá no último trimestre de 2023 e no primeiro trimestre de 2024, depois retornando a crescer nos trimestres seguintes. O efeito na economia será de convergência da inflação para a meta de 2,2% ao ano, mas gerando uma taxa de desemprego de 5% e com juros que chegarão ao patamar de 3,6% em seu pico de 2023. A elevação de juros nas 3 próximas reuniões será de 0,5 p.p. e em 2022 chegará a 2,6%. Além do aumento dos juros, a política monetária mudará para um Quantitative Tightening, ao invés do Quantitative Easing que vinha sendo usado nos últimos anos para combater os efeitos da pandemia, mas gerando distorções no mercado de trabalho, de ações e pressão inflacionária. Os EUA ainda são a maior e mais importante economia mundial e sua desaceleração trará impactos mundiais, com reflexo no Brasil. O Brasil já vem aumentando os juros para combater a inflação e terá dificuldades de crescimento em 2022 como consequência, mas combatendo a inflação. Os impactos já estão sendo sentidos com correção no Dólar e nas bolsas internacionais. É importante acompanhar de perto como o Banco Central brasileiro irá se comportar na próxima reunião do COPOM para ver se o diferencial de juros vai continuar alto entre Brasil e EUA.


05/04/2022

Margens das empresas foram achatadas no 4º trimestre

Os resultados apresentados nos balanços das empresas de capital aberto mostram que 2021 foi melhor que 2020, mas que o resultado se deteriorou na passagem do 3º para o 4º trimestre. Entenda o que fez o resultado piorar. O Valor Econômico fez um levantamento com 313 empresas de capital aberto que apresentaram seus balanços nas últimas semanas referentes ao 4º trimestre e os comparou com o trimestre anterior e no total de 2021 em relação a 2020. O resultado anual mostrou recuperação importante. Na comparação entre 2021 e 2020, as empresas tiveram aumento de receita líquida, lucros bruto, operacional e líquido, com queda nos custos e despesas operacionais em relação à receita líquida. Ou seja, a recuperação em relação à pandemia veio acompanhada de mais eficiência. Agora os fundamentos se deterioraram na passagem do 3º para o 4º trimestre. Os custos e despesas operacionais aumentaram consideravelmente, reduzindo os lucros das empresas. Isso fez com que a margem bruta das empresas encolhesse 1,6% em apenas um trimestre, o que preocupa. O que está por trás disso? Alguns fatores explicam essa piora. Os principais são a inflação, a queda na renda e o câmbio. Mas essas variáveis impactam de forma diferente para cada tipo de empresa. No somatório das 313 empresas analisadas, contudo, o impacto foi negativo. As empresas tipicamente exportadoras se beneficiaram do aumento do preço das commodities e do câmbio no período, aumentando suas margens, mesmo com uma inflação doméstica que tem itens como a energia elétrica aumentando consideravelmente no período analisado. As empresas que têm insumos importados e vendem produtos no mercado doméstico, por sua vez, foram as mais afetadas, como as empresas aéreas e as indústrias de alimentos. Os custos de produção aumentaram significativamente e não puderam repassar integralmente os reajustes. Apesar do resultado em 2021 ter sido muito positivo, é importante cautela em 2022, pois a inflação continua pressionada pelo preço das commodities, apesar de uma valorização de 20% do Real. O crescimento econômico e a renda real baixos poderão impactar nos resultados em 2022.


04/04/2022

Elon Musk compra 9,2% das ações do Twitter, ao invés de lançar sua própria rede social

Com a movimentação, as ações do Twitter avançaram mais de 20%. A rede social, onde Musk tem mais de 80 milhões de seguidores, foi alvo de críticas dele em relação à liberdade de expressão. A relação de Musk com o Twitter sempre foi bastante controversa e já gerou muitos desdobramentos nos seus negócios. Em 2018, ele disse que iria comprar as ações de volta da Tesla e que tinha os recursos para isso. Após o tweet, as ações da Tesla subiram consideravelmente. O SEC, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários – CVM no Brasil, o proibiu de tuitar sobre a empresa de forma que se beneficiasse dos resultados que poderiam trazer no preço das ações. Isso depois de investigações pelo tweet de 2018, que valorizou a sua fortuna. Um dos bilionários mais ricos do mundo, ele também já causou volatilidade significativa em tweets que fez em relação ao Bitcoin, quando disse em 2021 que iria aceitar a criptomoeda como forma de pagamento pelos veículos da Tesla. Tesla e Musk detinham Bitcoins e saíram ganhando. Como o mercado de Bitcoins não sofre regulação de mercado, ele tem liberdade de especular em seus tweets e já fez o “pump and dump”, ação de tweetar sobre a criptomoeda tendo comprado antes e depois vender para em seguida falar mal, várias vezes, se beneficiando com isso. Ao invés de criar sua própria rede social e ditar as regras, ele optou por se tornar um relevante investidor no Twitter, com quem sempre teve atuação significativa. Essa prática difere daquela adotada por Trump que, após ser banido, resolveu criar sua própria rede social. A compra de participação elevada no Twitter traz questionamentos sobre a sua influência nas regras futuras de controle de Fake News e liberdade de expressão que ele vem questionando ultimamente. Isso também poderá afetar o bloqueio de usuários e de comentários questionáveis.


04/04/2022

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


01/04/2022

Quem teve melhor desempenho no 1º trimestre? Investimento em renda fixa ou variável?

Os cenários internacional e doméstico explicam o desempenho desses dois tipos de investimento e suas performances nos 3 primeiros meses do ano. Entenda melhor o resultado e o que pode mudar. No trimestre o IPCA subiu 2,63%, a SELIC (e o CDI) teve alta de 2,43%, o Ibovespa teve valorização de 14,48% e a poupança rendeu 1,67%. Ao comparar esses investimentos, descontando a inflação, CDI teve queda de 0,19%, a poupança de 0,94% e o Ibovespa retorno positivo de 11,54%. O que explica esses resultados? Primeiro, no cenário doméstico, a inflação ainda continua pressionando, fazendo com que investimentos em renda fixa, como CDBs, poupança e títulos, com a elevação da SELIC, não remunerem mais que a perda de valor do dinheiro no mesmo período. Segundo, no cenário internacional, a invasão russa tem pressionado o preço das commodities, repercutindo nos preços das ações de empresas exportadoras brasileiras. Além disso, a inflação nos EUA tem levado o país a aumentar os juros, o que fez investidores migrar para o Brasil. Foram R$89,6 Bilhões de entrada de recursos internacionais na B3, principalmente em ações de empresas exportadoras, que têm peso significativo na formação do Ibovespa. Esse movimento derrubou o Dólar, que teve queda de 15% no trimestre, mas ouro e Bitcoin também caíram. Mas essa vai ser a tendência até o final do ano? Muito importante lembrar que desempenho passado não garante retorno futuro! Nos próximos meses, haverá muita turbulência política em torno das eleições presidenciais e que tipo de política fiscal será adotada pelo novo presidente. Outro fato importante é que o Banco Central vai continuar elevando a SELIC até 12,75% ou 13% ao ano e a inflação vai ceder, a partir de maio, convergindo no final do ano para perto de 7% ao ano. Nesse contexto, a renda fixa entrará no campo positivo em termos de rentabilidade. Por fim, passado o momento turbulento no mercado internacional de commodities, com uma possível trégua entre Rússia e Ucrânia e com a desaceleração econômica causada pela elevação de juros internacionais, os investidores internacionais devem retornar para mercados mais seguros.