PodCasts

13/02/2022

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


11/02/2022

Vai ter Disney? Real é a moeda mais valorizada em 2022 em relação ao Dólar.

Com cotação de R$5,20, o Dólar vem caindo nesse início de ano. Alguns fatores explicam a mudança e vem a dúvida: é hora de comprar? Entenda melhor na minha análise e decida se é hora de comprar. O Dólar iniciou 2022 valendo R$5,66 e rompeu a barreira dos R$5,20, uma queda de 8% em pouco mais de um mês. Apesar dessa tendência de curto prazo, é preciso entender melhor o que vai acontecer em termos de política e economia aqui e lá fora para tomar uma decisão de compra. O volume de investimento estrangeiro na B3 subiu 7,29% até o momento. Em janeiro atingiu R$ 32,49 Bilhões, a 2ª melhor marca desde 2012 e o 4º mês consecutivo de saldo positivo. Bolsa barata atraindo investidores internacionais que compram ações em Reais, impactando no câmbio. O preço das commodities, como: soja; minério de ferro; petróleo; e, carnes, no mercado internacional trouxe mais dólares para cá oriundos de receitas de exportações brasileiras, fortalecendo o Real. O Índice de Commodities Brasil (IC-Br) teve elevação de 40,41% em 12 meses. A SELIC em alta também ajuda o Real. Investidores de renda fixa têm comprado títulos brasileiros que pagam um prêmio em relação aos países, com a maior taxa de juros reais atualmente, descontando a previsão de inflação futura. Como os títulos são em Reais, derruba o câmbio. Nos EUA, os juros vão começar a subir por conta do país estar sofrendo da maior inflação dos últimos 40 anos, em torno de 7%. Essa decisão deve desacelerar o ritmo de crescimento da economia e, no curto prazo, tem empurrado investidores para mercados como o brasileiro. É hora de comprar dólares e viajar para fora? A tendência de queda do Dólar pode mudar devido a alguns fatores. A elevação dos juros nos EUA irá atrair investidores internacionais para títulos americanos, que irão remunerar melhor, impactando diretamente no câmbio durante o ano. A situação política no Brasil irá ficar turbulenta nos próximos meses, pois há uma eleição presidencial no caminho e, historicamente, o câmbio é pressionado durante esse período. Outro fato relevante, é que o Dólar valia R$ 4,32 no início de fevereiro de 2020, menos que hoje.


10/02/2022

Setor de Serviços tem crescimento surpreendente de 10,9% em 2021 e fica 6,6% acima do patamar pré-pandemia.

O setor foi duramente afetado pela pandemia, se recuperou de forma desigual, porém, e com novos setores merecendo destaque. Entenda melhor a dinâmica dessa recuperação. Apesar da forte queda de 7,8% em 2020, a mais baixa da série histórica, fazendo com que a base de comparação seja mais fraca, o crescimento de 10,9% em 2021 também foi o mais alto já registrado e deixou o setor acima do nível pré-pandemia, uma recuperação além do nível anterior. Em dezembro, houve um crescimento de 1,4% logo após outro crescimento ainda mais forte de 2,7% em novembro. Essa retomada tem um forte vínculo com a liberação das atividades sociais, por conta da queda dos casos de COVID-19, impulsionando os serviços de caráter presencial. O que chama atenção é como houve uma reorganização entre 2020 e 2021 dos tipos de serviços prestados. Aconteceu uma migração de serviços de caráter presencial, como turismo, bares e restaurantes, para serviços à distância, incluindo tecnologia, logística e serviços financeiros. O ano de 2022 será de muitos desafios para o setor de serviços, que continuará dependendo da evolução da pandemia e novos fechamentos e reaberturas de atividades sociais. Há ainda muito espaço para retomada dos segmentos que estão abaixo do patamar pré-pandemia. O resultado é muito importante porque o setor de serviços representa mais de 70% tanto da economia brasileira como pernambucana. Se cresceu tudo isso, vai provavelmente melhorar o resultado do PIB deles em 2021. Os dados serão divulgados em breve, aumentando as expectativas.


10/02/2022

A alta de 3,9% na produção industrial brasileira em 2021 foi disseminada em 9 dos 15 locais pesquisados.

Os destaques foram Santa Catarina (10,3%), Minas Gerais (9,8%), Paraná (9%) e Rio Grande do Sul (8,8%). Mas também houve queda em alguns estados no período. Entenda melhor. A indústria brasileira teve seu pico de produção em 2011, quando o índice atingiu 105,2. De lá para cá, o processo de desindustrialização vem comprometendo o setor que paga os salários mais altos na economia. Em 2021, porém, o índice cresceu, depois de 2 anos seguidos em queda. Em 2021 houve uma reversão nesse processo, puxada pela indústria de bens de capital que cresceu 28,3%. Isso indica que outras indústrias estão investindo em capital para ampliar a produção, revertendo a tendência de queda na participação da indústria de transformação mundial. O crescimento foi disseminado, com Santa Catarina (10,3%), Minas Gerais (9,8%), Paraná (9%) e Rio Grande do Sul (8,8%) como destaques nacionais junto com São Paulo (5,2%). Amazonas (6,4%) e Ceará (3,7%) foram destaques nas regiões Norte e Nordeste, respectivamente. Bahia (-13,2%), Goiás (-4,0%) e Pará (-3,7%) tiveram as maiores quedas. Chama a atenção da forte queda ocorrida na produção industrial baiana causada pela saída da Ford daquele estado. A região Nordeste como um todo também teve queda, de 6,2%, influenciada pelo peso da Bahia. Pernambuco teve queda de 0,5%, permanecendo praticamente inalterado. Esse resultado mostra que um concorrente regional mais próximo, Ceará, conseguiu desempenho melhor, atraindo mais investimentos, possivelmente. Pernambuco precisa melhorar através da facilitação aos negócios.


08/02/2022

PIX avança e já se torna o 3º meio de pagamento mais aceito no comércio eletrônico.

Em breve, o PIX poderá desbancar a modalidade boleto bancário, quando novas funcionalidades do PIX entrarem em uso. Entenda mais sobre essa modalidade de pagamentos que mais cresce no Brasil. No levantamento com as maiores lojas online do Brasil, o PIX apresentou um crescimento para 64,4% de aceitação entre os meios de pagamentos. Na comparação com janeiro de 2021, representava apenas 16,9%. Esse crescimento o deixou em 3º lugar, depois de cartão de crédito e boleto. Essa posição deve ser alterada nos próximos meses, quando o Banco Central implantar mais uma fase do PIX onde o parcelamento dos pagamentos poderá ser efetuado, inclusive de forma híbrida com outros meios de pagamentos. O formato trará concorrência para os cartões de crédito. O PIX vem desbancando o cartão de débito e os cheques já quase caíram no esquecimento. Essa tecnologia tem custos mais baixos para os usuários pessoas físicas; e trazem mais agilidade, também menores custos, para os estabelecimentos comerciais, que estão aderindo gradualmente. Apesar do cartão de crédito oferecer a possibilidade de parcelamento sem juros e milhas, estabelecimentos oferecem descontos no PIX. Por isso que mais de 120 milhões de usuários já estão cadastrados, apesar de falhas recentes de vazamento das chaves de alguns usuários. Com o PIX parcelado, o mercado terá uma grande inovação sendo implantada. O pagamento parcelado, típico da cultura brasileira de financiamento de compras no cartão de crédito, mudará com essa nova opção mais flexível que será implantada. Maior concorrência e menor custo.


07/02/2022

Endividamento cai no Brasil pela 1ª vez em 13 meses.

O crédito mais caro e o ambiente de incertezas fizeram o endividamento recuar para 76,1%. A inadimplência, por sua vez, teve elevação para 26,4%. Você sabia que a queda no endividamento é, na realidade, algo ruim? Entenda. A redução do endividamento vem atrelado a um cenário desfavorável, onde o crédito encareceu por conta dos juros altos. Além do crédito mais caro, uma queda na renda real das famílias, corroída pela inflação, deixa também o cenário mais difícil para a obtenção de financiamentos. Esse cenário é ruim porque a recuperação da economia depende, em grande parte, do consumo das famílias via endividamento. Da mesma forma que as empresas se endividam, as famílias antecipam compras futuras com o financiamento de imóveis, veículos, eletrônicos e assim por diante. Se essa queda na demanda acontece, a economia cresce menos, atrapalhando um ano importante de retomada no crescimento como 2022. Os juros mais altos são necessários para conter a inflação, mas como se pode ver, promovem uma contração no motor da economia, o consumo das famílias. Um dado preocupante é relacionado à inadimplência das famílias. Essa sim, precisa ser controlada para baixo. Os dados apresentados pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) indicam que houve a 9ª elevação seguida na inadimplência, aumentando a preocupação com o endividamento. Esse dado representa o maior nível desde agosto de 2020 e a maior proporção para meses de janeiro observada na série histórica da pesquisa. Houve um aumento, também, daqueles que dizem que não terão condições de pagar as dívidas, de 10% para 10,1%. A inflação fazendo vítimas.


07/02/2022

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


04/02/2022

Eduardo Saverin, cofundador da Meta, perde R$ 25 Bilhões em um só dia com tombo das ações em 26% após resultado negativo.

A Meta, antigo Facebook, tem sofrido forte concorrência do Tik Tok e da Apple, apresentando uma queda no seu resultado no último trimestre. Entenda melhor! Com a queda no valor de mercado das ações da Meta, a fortuna de Saverin caiu para US$ 12,9 Bi (R$ 70,95 Bi). Ele ficou mais distante no ranking dos bilionários brasileiros na lista da Bloomberg. Os 2 primeiros continuam sendo Jorge Paulo Lemann e Marcelo Telles da 3G Capital. A queda no valor das ações da Meta é relacionada com a queda no lucro líquido de 8% para US$ 10,29 Bilhões no 4º trimestre em relação ao mesmo período de 2020. Há 2 motivos principais para explicar esse fraco desempenho: a concorrência do Tik Tok e as restrições da Apple. A queda de valor da Meta foi de mais de US$ 200 Bilhões (mais de R$ 1 Trilhão). Esse valor supera o valor de mercado das 3 maiores empresas brasileiras de capital aberto, Vale, Petrobras e Itaú juntas. O valor perdido também equivale ao da Disney no mercado americano. A concorrência do Tik Tok tem aumentado com forte migração de jovens até os 17 anos utilizando cada vez mais o outro aplicativo. Essa migração tem feito com que a Meta procure investir mais nos vídeos do Reels, que imitam o Tik Tok, e nos Stories, que apresentam crescimento. Já o problema com a Apple vem diretamente das limitações impostas no iOS, software que roda os aparelhos da Apple, os iPhones. As limitações impostas obrigam o compartilhamento da receita de marketing com a Apple, causando queda na receita com os Apps Instagram e Facebook. A saída que a Meta tem visto para o futuro é continuar investindo no metaverso. As vendas de seus óculos de realidade virtual foram recordes em 2021, trazendo uma receita considerável de US$ 2,3 Bilhões, mas que ainda resultando em um prejuízo operacional de US$ 10,2 Bilhões.


03/02/2022

Levantamento com 40 países coloca o Brasil como líder no ranking de juros reais.

Com a elevação da SELIC para 10,75%, o Brasil tem a 3ª maior taxa de juros nominais no mundo e, descontando a inflação prevista para o fim do ano, fica em 1º lugar. Por que estamos nessa liderança? Em pouco tempo a SELIC foi de 2% para 10,75% ao ano e deve continuar subindo até chegar aos 12,25% até o fim do ano em mais duas reuniões do COPOM, onde deve subir 1 p.p. na próxima reunião e 0,5 p.p. na seguinte. Dessa forma o Brasil vai continuar com a 3ª maior taxa nominal. Na metodologia adotada no levantamento, a diferença entre real e nominal é justamente quando é descontada a inflação prevista para o fim do ano. No caso brasileiro, O IPCA deve ficar em 5,38% segundo o Boletim FOCUS. Daí o patamar de 5,37%, menor que o do levantamento realizado. A defasagem do levantamento talvez leve a essa diferença, mas outro ponto também precisa ser analisado. O estudo apresenta a previsão de inflação futura e não aquela acumulada nos últimos 12 meses. Caso isso seja levado em consideração, os juros reais caem para menos de 1%. O fato é que os juros nominais estão muito elevados aqui, nos colocando em 3º no ranking, atrás de Argentina e Turquia. Esses países têm sérios problemas econômicos e talvez não justifique o Brasil estar num patamar tão elevado, apesar da inflação acima da média internacional. De todo jeito, a inflação é um problema sério que precisa ser controlado enquanto está em uma situação temporária, pois os danos de uma inflação permanente e retroalimentada são maiores que os de uma elevação temporária dos juros para contê-la. A prioridade é conter esse mal.


03/02/2022

O reajuste de 33,24% no piso salarial dos professores e os seus impactos.

O Professor Ecio Costa analisou em entrevista a CBN Caruaru, os impactos do reajuste de 33,24% no piso salarial dos professores, o aumento leva em consideração o valor, por aluno, pela variação da inflação nos últimos dois anos, conforme prevê a Lei do Magistério. Segundo o Presidente, mais de 1,7 milhão de professores de estados e municípios, que lecionam para mais de 38 milhões de alunos nas escolas públicas, serão beneficiados. Em 2022, o valor será corrigido e o piso da categoria será de R$ 3.845,63.