PodCasts

20/07/2021

Segunda Prévia do IGP-M aponta desaceleração em julho e crescimento de 0,72%.

A FGV divulgou os dados da segunda prévia para o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), apresentando desaceleração do indicador no mês de julho. O índice teve elevação de 0,72%, o menor patamar para uma segunda prévia desde maio do ano passado. A prévia ainda não é o dado oficial, possível de correção após a virada do mês. Em 12 meses o índice acumula alta de 33,75%, nível abaixo dos 36,65% aferidos até o mês de junho. Do ano passado para cá, as commodities agrícolas e minerais tiveram grande impacto na elevação do indicador, com seus preços se elevando nos meses de junho de 2020 em diante. Agora em julho a tendência se inverteu, com queda no preço das commodities agrícolas, como soja, milho em grão, óleo de soja em bruto e arroz em casca.


19/07/2021

Bolsas mundiais sofrem fortes correções com aumento de preocupação com nova variante do coronavírus.

As principais bolsas mundiais sofreram fortes correções diante da ameaça de novos fechamentos por conta da variante Delta do COVID-19. O Ibovespa sofreu queda de 1,24%, encerrando o dia aos 124 mil pontos. O Índice Dow Jones teve queda de 2,09%, ficando em 33 mil pontos. O Dólar subiu 2,63% para o valor de R$ 5,25. Outro fato relevante foi o acordo fechado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que contribuiu para a derrubada no preço do barril de petróleo a nível internacional, afetando diretamente no preço das ações das petroleiras, inclusive a Petrobras aqui no Ibovespa. Como a Petrobras tem peso relevante na composição do Ibovespa, ajudou a derrubar o índice. A preocupação de uma terceira onda de contaminações aliada à inflação que tem se mantido elevada, traz reflexos imediatos no mercado financeiro, que precifica negativamente esse risco. Vale lembrar que a vacinação tem se acelerado e possivelmente as preocupações podem ser atenuadas conforme a mortalidade pelo COVID-19 caia de forma mais significativa.


18/07/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


16/07/2021

Fundo eleitoral tem orçamento triplicado em LDO aprovada. UMA VERGONHA!

O Fundo eleitoral aprovado dentro da Lei de Diretrizes Orçamentárias teve seu orçamento triplicado para o ano de 2022, elevando-se dos atuais R$ 1,8 bilhões para R$ 5,7 bilhões, comprometendo recursos destinados a obras, saúde e educação. Em um acordo, os principais partidos do Congresso Nacional da base e da oposição aprovaram as emendas orçamentárias tanto na Câmara quanto no Senado com este aumento de gastos desnecessários. Na mesma LDO, o déficit previsto no orçamento da União para 2022 é de R$ 170,47 bilhões. O texto segue agora para sanção presidencial e espero que seja vetado por ele. A LDO projeta ainda um crescimento do PIB de 2,5% em 2022 e um salário mínimo de R$ 1.147. Esses valores podem ser revisados.


15/07/2021

Taxa de crédito imobiliário terá elevação. Aproveite os juros baixos enquanto estão disponíveis!

O financiamento imobiliário está sofrendo alteração em suas taxas, como já pode ser visto com a movimentação do Banco Santander, elevando sua taxa mínima de financiamento de 6,99% para 7,99% ao ano + Taxa Referencial (TR), que atualmente encontra-se zerada. Essa movimentação está levando em conta a elevação da SELIC, que subiu de 2% ao ano no início do ano para os atuais 4,25%, influenciando diretamente o crédito imobiliário. De todo jeito, o atual patamar do custo para o financiamento de imóveis é um dos mais baixos da série histórica, sendo muito atrativo para aquisições no setor. O recorde em aquisições de crédito para o setor, foi em março deste ano com mais de R$ 18 bilhões em novos financiamentos.


14/07/2021

IBC-Br apresenta queda de 0,43% no mês de maio.

O Banco Central divulgou o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado como prévia do PIB, em que apontou recuo de 0,43% no mês de maio na comparação ao mês de abril. O mercado tinha a expectativa de que o índice tivesse alta de 1,05%, porém mesmo diante do recuo momentâneo a economia brasileira até o mês de maio tem bom desempenho com elevação de 6,6%, segundo o IBC-Br. Com a aceleração da vacinação e redução dos casos de COVID-19 e da mortalidade, é possível que os dados apresentem melhores resultados nos próximos meses. Vale lembrar que setor de serviços é responsável por 70% do PIB e tende a se beneficiar com isso.


13/07/2021

Setor de Serviços tem crescimento de 1,2%, superando patamar pré-pandemia.

O IBGE divulgou os dados referentes ao setor de serviços para o mês de maio apontando crescimento de 1,2%. No acumulado do ano o setor teve alta de 7,3%. Com o avanço da pandemia e redução dos números de casos e mortalidade, uma maior abertura da economia tem ajudado o setor a se recuperar. Vale ressaltar que o Setor de Serviços responde por mais de 70% do PIB do Brasil e também de Pernambuco. Os serviços prestados às famílias, alojamento e alimentação e transporte aéreo ainda estão em níveis muito abaixo do patamar pré-pandemia, indicando que ainda há muito o que recuperar. O desempenho positivo do setor foi espalhado por todo o Brasil, com 23 das 27 UFs apresentando crescimento. Pernambuco teve destaque com um crescimento de 3,9%.


12/07/2021

Reforma do Imposto de Renda terá “gordura” em 2022, aponta Receita Federal.

Segundo levantamento da Receita Federal, a Reforma do Imposto de Renda trará um resultado positivo de R$ 2,47 bilhões em 2022. Nos anos seguintes, o resultado também será positivo. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia a possibilidade de aumentar o corte nos impostos sobre as empresas em forma de compensação, porém não pretende abrir mão da taxação de 20% de lucros e dividendos. A arrecadação prevista advinda do imposto sobre lucros e dividendos será de R$ 19,42 bilhões em 2022, R$ 57,68 bilhões em 2023 e R$ 61,04 bilhões em 2024. O projeto também prevê o fim da dedução dos juros sobre o capital próprio, o JCP. A redução de 5 p.p. da alíquota do Imposto de Renda Pessoa Jurídica, porém, trará perda de arrecadação de R$ 18,52 bilhões em 2022, R$ 39,25 bilhões em 2023 e R$ 41,53 bilhões em 2024. O modelo busca o equilíbrio na arrecadação através das compensações.


11/07/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


10/07/2021

Em ano recorde, fusões e aquisições já somam US$ 52,6 bi.

Os processos de fusões e aquisições atingiu volume recorde neste ano. Até junho, US$ 52,6 bilhões já foram negociados, muito próximo do recorde atingido em 2017 de US$ 52,7 bilhões, indicando que no segundo semestre de 2021 esta marca será ultrapassada. Em todo o ano de 2020, as fusões e aquisições representaram um valor de apenas US$ 6,6 bilhões. O número de transações subiu de 230 do ano passado para 274 até junho de 2021. Algumas negociações de porte elevado incluem a cisão da parte que competia ao Itaú na XP, a fusão da HapVida e Intermédica, e a venda do setor de fibra óptica da Oi para o BTG Pactual e Globenet.