PodCasts

08/07/2021

IPCA sobe 0,53% em junho e inflação atinge 8,35% em 12 meses.

O IBGE divulgou os dados para a inflação do mês de junho (0,53%), mostrando desaceleração em relação ao mês de maio, 0,83%. Porém, em 12 meses, o IPCA agora acumula alta de 8,35%, o maior patamar desde dezembro de 2016. No acumulado de 2021, a taxa está em 3,77% pouco acima do centro da meta que é de 3,75% ao ano. A energia elétrica segue como principal vilã e motivadora da alta neste mês. Item teve alta de 1,95%. Em 12 meses, a alta da energia elétrica residencial acumula alta de 14,20%. Regionalmente, Recife apresentou a maior inflação no período mensal, com junho encerrando com alta de 0,92%. Os combustíveis também seguem pressionando o IPCA. Em 12 meses, a taxa está em 43,92% e em junho, o preço da gasolina subiu 0,69%.


07/07/2021

Varejo tem 2ª alta consecutiva, consolidando recuperação do setor.

O setor varejista teve a segunda alta consecutiva segundo o IBGE. Em maio, a alta foi de 1,4%, em relação ao mês anterior. Na comparação com maio de 2020, ápice da pandemia, a alta foi de 16%. Com o resultado positivo, o setor varejista se encontra 3,9% acima do nível de vendas pré-pandemia. Em 2021, a alta é de 6,8% e em 12 meses, 5,4%. Das 8 atividades, 7 tiveram crescimento. O destaque ficou com o segmento de vestuário e calçados (16,8%), seguido por combustíveis e lubrificantes (6,9%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,7%). 26 dos 27 estados também apresentaram crescimento.


06/07/2021

Privatização dos Correios foi pautada na Câmara e deve ser aprovada no Congresso em agosto.

O Projeto de Lei 591/21 que trata da privatização dos Correios deve ser aprovado no final de agosto. O Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, informou que o projeto de privatização do Governo Federal apresentado transfere 100% do capital da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) para o setor privado. A expectativa é que o Deputado Gil Cutrim (Republicanos – MA) apresente o parecer final com possíveis alterações no projeto original enviado pelo Governo Federal nessa semana. Diferente do modelo de privatizações adotado até o momento, os Correios devem ser privatizados em um único leilão, com um único vencedor, que manterá o monopólio provisório da entrega de cartas por 5 anos e não através do mercado de ativos, como a Eletrobras. O modelo monopolista atual tende a ser quebrado na votação da Câmara Federal, mas de forma gradual. A estatal monopólio na entrega de cartas, malotes, cartões postais e telegramas. O projeto prevê a manutenção por 5 anos. Posteriormente, a entrada de concorrentes no setor será liberada. A regulação do setor será através de um braço da ANATEL, visando proteger os mais desfavorecidos, com a segurança da prestação do serviço nas áreas mais remotas e menos rentáveis.


05/07/2021

FAO e OCDE apontam que Participação do Agronegócio Brasileiro no Mercado Mundial Aumentará

Segundo relatório apresentando pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) juntamente com Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil tende a ter maior importância de mercado na produção e exportação de alimentos e grãos no mundo. As perspectivas são referentes ao período de 2021 a 2030, em que se destaca o papel imprescindível do Brasil, muito por conta do avanço da produtividade do agronegócio brasileiro e sua possível expansão. A influência chinesa sobre os mercados agrícolas, representando o maior consumo mundial, também é destacado nesse relatório. A previsão acontece, mesmo com indicações que a segunda maior economia do mundo vem desacelerando seu ritmo de crescimento nos próximos anos. O estudo aponta que a produção agrícola aumentará em mais de 14% na América Latina nos próximos 10 anos, fazendo com que o valor líquido das exportações se expanda em mais de 31% no período.


04/07/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


02/07/2021

Produção industrial cresce 1,4% em maio e retoma patamar pré-pandemia.

A produção industrial no mês de maio cresceu 1,4% após 3 meses seguidos de queda, retomando ao patamar pré-pandemia. Na comparação com o mês de maio de 2020, o avanço positivo foi de 24%, a 9ª alta consecutiva. Esta foi a primeira vez desde outubro de 2018 em que todas as categorias registraram taxa positiva no acumulado em 12 meses. Em 2021 a alta acumulada é de 13,1%, já em 12 meses a indústria teve alta de 4,9%. Dentre as 26 categorias avaliadas, 15 tiveram saldo positivo no mês de maio. A retomada tem sido desigual, com alguns setores com crescimento acima do patamar pré-pandemia e outros ainda no negativo.


02/07/2021

CAGED de Maio indica crescimento de 280 mil empregos formais.

O Ministério da Economia divulgou que o CAGED de maio trouxe um resultado de 280.666 mil novos empregos formais no mês de maio. O número releva uma aceleração em comparação aos meses de março e abril. Com esta informação, o Brasil chegou ao patamar no ano de 2021 de mais de 1 milhão de novas vagas com carteira assinada. O cálculo leva em consideração a diferença entre demissões e contratações no período mensal. No mês de maio foram 1.548.715 admissões contra 1.268.049 demissões. O setor de serviços liderou as contratações com 110.956 novas vagas, e o setor industrial foi quem teve o menor número de vagas geradas com 44.146. O Nordeste surpreendeu positivamente com 37.266 novas vagas ficando atrás apenas do Sudeste, que teve 161.767 novos empregos formais.


30/06/2021

Ofertas de ações devem movimentar R$ 40 bi.

O mercado de IPOs entra em nova temporada, com previsão de oferta de ações com possibilidade de movimentação de até R$ 40 bilhões impulsionando o mês de julho que poderá encerrar com R$ 120 bilhões captados, um recorde, superando o volume captado em 2020 todo, de R$ 119,3 bilhões. A Petrobras será muito importante neste resultado. A estatal está se desfazendo da participação na BR Distribuidora, dos 37,5% que a estatal ainda possui, podendo render R$ 11,5 bilhões. Até o presente momento R$ 83 bilhões de reais já foram injetados em IPOs no Brasil. Um ponto importante é que a elevação da Selic afeta diretamente os investidores de varejo que têm migrado para a renda fixa, porém os investidores ligados aos fundos de investimento participam ativamente nas IPOs e agora estão menos receosos, pois o Banco Central tem dado sinais que está combatendo a inflação. Isso diminui as incertezas e atrais mais investimentos para as IPOs.


29/06/2021

IGP-M desacelera em junho, porém em 12 meses acumula alta de 35,75%.

O IGP-M de junho apresentou desaceleração, com elevação de 0,6%. Em maio, o índice subiu 4,10%. O câmbio teve papel importante nessa desaceleração, ajudando na cotação em Reais das commodities exportáveis, que também tiveram queda de preços no mercado internacional. A alta da SELIC tornou os títulos brasileiros mais atrativos aos investidores internacionais, trazendo Dólares para o país e favorecendo o Real. Os principais responsáveis pela alta no mês foram a gasolina (2,72%), a tarifa de energia (3,30%) e o etanol (9,92%). O IGP-M acompanha a inflação no setor atacadista, principalmente em relação aos insumos utilizados nas indústrias brasileiras. Apesar da relevante desaceleração desse mês, em 12 meses acumulados, a taxa ainda segue elevada com 35,75%. Esse patamar elevado tem sido muito preocupante na renovação dos contratos de aluguel, já que também serve como indicador de reajuste para eles.


28/06/2021

Nova Fase da Reforma Tributária reduz Imposto de Renda das empresas e vai taxar dividendos em 20%.

A Segunda fase da proposta de Reforma Tributária foi entregue ao Congresso na última sexta-feira, com diversas modificações no imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas e sobre os investimentos. Seguindo práticas internacionais, a proposta apresentada traz uma redução no IRPJ e um retorno na taxação de lucros e dividendos. A distribuição de lucros para sócios de micro e pequenas empresas, porém, será isenta até o valor de R$20 Mil/mês. Com essa mudança, a carga tributária sobre as empresas cairá dos atuais 34% para 29%. Os fundos imobiliários (FIIs) terão impactos diretos sobre a distribuição de dividendos, com uma nova tributação de 20%. Empresas listadas na bolsa que são conhecidas tradicionalmente como grandes distribuidoras de dividendos terão menos atratividade enquanto as empresas de tecnologia, que geralmente não distribuem lucros, não sofrerão impacto.