PodCasts

23/05/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


21/05/2021

Construção civil tem a maior taxa de inflação em 28 anos.

Estudo da FGV, utilizando o Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) de maio, indicou que a inflação do setor da construção civil chegou a 38,66% no acumulado de 12 meses em maio. Os dados avaliam a evolução nos preços dos materiais e equipamentos para construção, sem frete e sem impostos. Esta porcentagem é recorde para a série iniciada em 1993. Alguns pontos foram responsáveis para este resultado: o câmbio, que se manteve alto, fazendo com que insumos importados para o setor se mantenham com uma média de preços inflacionada; a alta nos preços das commodities minerais e metálicas usadas como matérias-primas de produtos do setor; o prete do frete; e, o reaquecimento global da economia, que acelerou a demanda sobre as indústrias fornecedoras de insumos. Esta alta de preços está trazendo uma forte desorganização no lançamento de projetos e pode trazer ainda mais impactos no setor.


20/05/2021

Hoje é o dia do lançamento do livro Oportunidades de Melhoria para Empreender - Decifrando Erros e Soluções na Gestão das Pequenas Empresas.

Colaborei com o Capítulo 5: Erros Relacionados a Financiamento para o Empreendimento. Nesse capítulo falo sobre erros e acertos na obtenção de financiamento baseado na minha experiência junto à CEDES Consultoria e Planejamento com mais de 600 projetos de Viabilidade Econômico-Financeira que que resultou na captação de mais de R$100 Milhões ao longo de 18 anos.


19/05/2021

Privatização da Eletrobras avança.

A Medida Provisória (MP) 1031/21, que trata da privatização da Eletrobras, avançou no Congresso Nacional, com o relator apontando poucas modificações no projeto enviado pelo Poder Executivo Federal. O Deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), emitiu seu parecer final à frente da relatoria com pequenas modificações nas quais modificou pontos que inviabilizariam a privatização caso fossem mantidos. A Medida Provisória que irá a votação no congresso fará com que a União deixe de ser acionista majoritária na empresa estatal, em que atualmente detém 42,57% do capital da Eletrobras, e o BNDES, outros 16,14%. Somadas as participações, o Estado é dono de 58,71% da empresa, a proposta é que a porcentagem estatal fique em 45%, perdendo o poder majoritário. A Medida Provisória prevê que, com a privatização da estatal, os investimentos privados avancem R$ 3,5 bilhões em dez anos para revitalização da bacia do rio São Francisco, outros R$ 230 milhões para as bacias dos reservatórios da usina de Furnas e mais R$ 295 milhões para redução de custos de geração de energia na Amazônia. Recursos advindos da hidroelétrica Itaipu poderão ser utilizados em programas sociais como, por exemplo, o Bolsa Família. Neste caso, a hidroelétrica será mantida sobre o controle estatal juntamente com o setor Eletronuclear que englobam, as usinas nucleares Angra 1, 2 e 3.


18/05/2021

Tesouro Nacional aponta que Brasil é o 7º país com maior gasto com servidores públicos.

Um levantamento feito pelo Tesouro Nacional indica que o Brasil se encontra na 7ª posição de 74 países pesquisados na relação de gastos com remuneração de empregados sobre o PIB. Os penduricalhos que ajudam a furar o teto salarial constitucional do funcionalismo público, de R$ 39,2 mil reais, contribuem para que 12,9% do PIB sejam destinados para a remuneração dos servidores públicos. Entre as razões que fazem com que estes gastos excessivos ocorram estão o acúmulo de remunerações, aumentos acima da inflação e regras que trazem auxílios e penduricalhos que não existem no setor privado. Por conta disso, os funcionários federais ganham em média 96% a mais que os trabalhadores de funções equivalentes no setor privado e as despesas nos últimos 10 anos mais do que dobraram. A Reforma Administrativa, que poderia flexibilizar a estabilidade no cargo, extinguir penduricalhos que turbinam salários e deixar o ambiente pronto para uma revisão futura de cargos e salários, está encalhada em comissões dentro da Câmara dos Deputados.


17/05/2021

Sul e Nordeste se tornam destino preferencial de realocação de indústrias, aponta CNI.

Segundo levantamento do Conselho Nacional da Indústria (CNI), a migração de indústrias alocadas no Sudeste foi fundamental para a descentralização do setor industrial e as regiões mais favorecidas são Sul e Nordeste, contribuindo para um desenvolvimento mais regional. O estudo focalizou nos períodos entre 2007-2008 e 2017-2018 e identificou que nos biênios em destaque a região Sul foi a que mais avançou em relação à sua participação no PIB nacional, ganhando 2,46 p.p. O Nordeste obteve ganho de 2,06 p.p. O Norte avançou 1,66 p.p. e o Centro-Oeste, 1,48. p.p. A região Sudeste, detentora da maior concentração industrial do país, perdeu 7,6 p.p. no PIB Industrial nacional. Todos os setores industriais seguiram a mesma estratégia de descentralização, como a indústria extrativa, de transformação, construção e SIUP (Serviços Industriais de Utilidade Pública). O resultado mais relevante em realocação foi da indústria de transformação, responsável por 57% produção industrial nacional. Apesar desse avanço na descentralização, 80% da indústria nacional ainda se concentra nas regiões Sul e Sudeste.


17/05/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


14/05/2021

FMI aponta que Chile deve crescer 6,2% em 2021 com vacinação acelerada.

O FMI apontou que o Chile deve crescer 6,2% em 2021 devido ao plano nacional de vacinação em estágio bastante acelerado, onde 46,4% da população já tomaram a primeira dose e em 38,5%, a segunda. O governo chileno prevê atingir 80% da população vacinada em junho. O sucesso da vacinação do país andino se deve ao fato do governo chileno ter negociado antecipadamente com diversos fornecedores a compra de mais de 4 vezes a quantidade necessária para vacinar todo o país. As primeiras doses da vacina da Pfizer foram entregues ainda no mês de dezembro de 2020, diferente do Brasil que retardou esse processo e negociou com menos fornecedores. 3 fatores são determinantes para a previsão de forte crescimento chileno este ano: a vacinação acelerada que permite a diminuição das restrições econômicas; o aquecimento do mercado internacional de commodities, que fez o preço do cobre sofrer alta de 105% em 12 meses, influenciando a balança comercial chilena e sua economia; e, as reformas fiscais que o Chile implementou, fazendo com que no final de 2019 a dívida pública ficasse em 27,9% do PIB, muito abaixo dos demais países vizinhos e dando margem para estímulos fiscais durante e após a pandemia, se necessários. Em 2020, o endividamento subiu para 32,5%, mas muito abaixo do caso brasileiro, que foi de 74,3% para 89,3% do PIB. A expectativa é que o Chile retorne ao nível pré-pandemia ainda este ano, enquanto o Brasil só deve se recuperar em 2022.


13/05/2021

IBC-Br indica alta de 2,3% na atividade econômica no 1º trimestre.

Segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, houve crescimento de 2,3% da economia brasileira na comparação com o trimestre anterior, apesar da queda de 1,59% em março. O indicador engloba os setores de agricultura, indústria e serviços e serve para orientar a política de controle da inflação do Comitê de Política Monetária (COPOM). Na próxima semana o IBGE deve divulgar os dados oficiais do PIB para 1º trimestre, agora com expectativas positivas de crescimento.


12/05/2021

Setor de Serviços tem queda de 4% em março, voltando a ficar abaixo do nível pré-pandemia.

A queda de março foi a maior desde abril de 2020, suficiente para fazer com que o setor voltasse a ficar abaixo do nível pré-pandemia. Na comparação com março de 2020, o setor teve alta de 4,5%, após 12 resultados negativos seguidos. O 1º trimestre encerrou com crescimento de 2,8% em relação ao 4° trimestre de 2020. Este resultado é importante porque o setor de serviços representa mais de 70% do PIB brasileiro e também do pernambucano. Então, deve-se esperar um resultado positivo para o PIB no 1º trimestre. O recuo no setor tem forte relação com as restrições adotadas para conter o avanço do COVID-19 no mês de março, diferente do que aconteceu em fevereiro, quando a economia estava mais aberta, permitindo maior circulação de pessoas e crescimento forte do setor (4,6%). Os setores de serviços prestados às famílias, transporte e turismo foram fortemente impactados.