PodCasts

22/02/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


19/02/2021

Após fala de Bolsonaro, ações da Petrobras fecham em queda de 6,63%.

Após o Presidente Jair Bolsonaro insinuar que irá interferir na condução da maior estatal brasileira, o mercado de ações reagiu de forma muito negativa, abrindo a sexta-feira com forte queda no preço dos papéis da estatal. Ao longo do dia, as ações chegaram a cair mais de 7%, fechando o dia com queda de 6,63%. O desempenho da estatal diante de suas concorrentes ao longo desse ano é o pior. As ações da empresa, avaliadas em dólares, têm perda de 3,65% ao longo de 2021, observando até o fechamento de ontem. O mal desempenho da estatal brasileira se dá por conta da desconfiança na política de preços da empresa, vista como alvo de interferência política.


18/02/2021

Brasil volta a ser destino de investidores externos diante de cenário de alta liquidez.

O Brasil voltou a ser um dos destinos de investimento externo, segundo o levantamento do Instituto de Finanças Internacionais (IIF). Durante o segundo semestre de 2020, o Brasil recebeu US$ 29,1 bilhões, após perda de US$ 35,5 bilhões entre os meses de janeiro e junho de 2020, por conta do cenário de incertezas durante o início da pandemia do COVID-19. Já na segunda metade do ano, os pacotes econômicos nos EUA e na Europa trouxeram uma liquidez elevada, fazendo com que os investidores buscassem mercados emergentes para diversificar seu portfólio. Entre os países que se beneficiaram deste excesso de liquidez, a China foi o principal favorecido com US$ 201 bilhões recebidos no segundo semestre de 2020. A Índia recebeu US$ 30 bilhões e o Brasil ficou em terceiro, com R$ 29,1 bilhões. As expectativas de depreciação do dólar, de elevação da SELIC e de que as ações brasileiras estão baratas também devem atrair investidores para países emergentes, como o Brasil, em 2021.


17/02/2021

Após 3 meses de seu lançamento, PIX lidera em número de operações, porém TED supera em valores.

O PIX, novo sistema de pagamentos brasileiro, completou três meses de operação integral liderando o número de movimentações com mais de R$ 286 milhões de operações realizadas em 2021. As TEDs somaram 53,2 milhões de transferências no mesmo período, equivalente a 18,5% do total de transações. Já o valor movimentado pelas TEDs supera em 10x o PIX com R$ 2,7 trilhões em transações financeiras, enquanto o PIX movimentou R$ 225 bilhões neste ano. Segundo o Banco Central, a explicação para este fator é que 8 a cada 10 transferências realizadas pelo PIX ainda são feitas de pessoa para pessoa. As transações pelo PIX entre empresas (B2B) ocupam apenas 2,5% do total do mês de janeiro.


16/02/2021

Bitcoin atinge valor recorde de US$ 50 mil.

O Bitcoin atingiu nova máxima de US$ 50.602,00, com uma valorização de mais de 60% este ano e mais de 1.100% desde março do ano passado. Somente na última semana, a criptomoeda subiu mais de 20% desde que a montadora de carros elétricos, Tesla, anunciou que tem US$ 1,5 Bilhão em Bitcoins e que passará a aceitar a moeda como forma de pagamento por seus veículos. Este movimento fez com que outras empresas passassem a também considerar o Bitcoin. O excesso de liquidez no mercado financeiro causado pelo excesso de política monetária dos EUA e de outros países também contribuiu para que investidores procurassem por uma maior diversificação de ativos, como as criptomoedas, mas também investindo em ações, ouro e prata.


15/02/2021

Ausência de Carnaval resulta em impacto negativo na economia.

O cancelamento do Carnaval de 2021 devido à pandemia do COVID-19 causa consequências econômicas para as cidades que têm a festa como atrativo turístico. Recife, Olinda, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo estão entre as que acumulam maiores perdas. Recife e Olinda, por exemplo, recebem no em torno de 5 milhões de turistas todos os anos. Em 2019, o Carnaval gerou um impacto de R$ 7,91 bilhões na economia brasileira, com um retorno dos investimentos públicos e privados acima de 10 vezes o valor investido. Pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, com o setor turístico, apontou que 3.800 municípios tiveram um aumento de 20% na arrecadação durante o feriado de 2020, em comparação com o ano de 2019, gerando 25 mil empregos. Os principais setores beneficiados pela festa são: a rede de hotelaria, bares e restaurantes, transporte, agências de turismo, dentre outros. Indiretamente, a cadeia de fornecedores que abastece com insumos para estes setores também é impactada.


15/02/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


12/02/2021

Prévia do PIB indica queda de 4,05% em 2020.

O Índice de Atividade Econômica medido pelo Banco Central (IBC-Br), que serve como uma prévia do PIB, apresentou retração de 4,05% para o Brasil no ano de 2020, encerrando uma sequência positiva de três altas seguida e a maior contração da série histórica iniciada em 1996 pelo BC. No mês de dezembro, o índice apontou alta de 0,64% na comparação com novembro. Já na comparação com dezembro de 2019, a alta foi de 1,34%. Fique atento, pois o PIB oficial para o ano de 2020 deve ser divulgado no início de março.


11/02/2021

Setor de serviços tem queda de 7,8% em 2020.

O IBGE divulgou os dados referentes ao setor de serviços para dezembro e para todo o ano de 2020. Em dezembro, o setor teve leve queda (-0,2%) frente a novembro, interrompendo seis meses consecutivos de alta. Mesmo com ganho acumulado de 18,9% nesse período, o volume de serviços ainda se encontra 3,8% abaixo do nível de fevereiro, quando as medidas de isolamento social para controle da pandemia de COVID-19 ainda não haviam sido aplicadas. Com isso, o setor encerrou o ano com um acumulado de -7,8% entre janeiro e dezembro. É a queda de maior expressividade da série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços, iniciada em 2012. Entre os setores avaliados, os que tiveram a maior queda estão principalmente ligados aos serviços prestados às famílias; alojamento e alimentação; transporte aéreo; e, turismo.


10/02/2021

Vendas no varejo crescem pelo 4° ano consecutivo em 2020, apesar da queda de 6,1% em dezembro.

Pelo 4º ano seguido, o varejo brasileiro apresentou alta anual, desta vez com 1,2% em 2020, foi o que apontou o IBGE. No mês de dezembro, porém, houve queda de 6,1% na comparação com novembro, queda mais intensa para um mês de dezembro de toda a série histórica, iniciada em 2000. Os setores de maior destaque foram: material de construção (10,8%), móveis e eletrodomésticos (10,6%), artigos farmacêuticos (8,3%) e supermercados (4,8%). O auxílio emergencial está diretamente ligado ao período positivo durante o ano de 2020, após uma queda de 17,2% em abril, o mês de maio teve crescimento de 13,3% com sequência positiva mês a mês até outubro. A desaceleração nas vendas foi reflexo da inflação com o aumento da demanda. Nos meses de novembro e dezembro, o aumento de casos de COVID-19 foi responsável pelos números negativos do período.