PodCasts

18/01/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


15/01/2021

Vendas do comércio varejista tem queda de 0,1% no mês de novembro, após 6 altas consecutivas.

O IBGE divulgou os dados referentes às vendas do comércio varejista e apontou que as vendas caíram 0,1% em novembro, interrompendo a série de 6 altas consecutivas. No acumulado do ano, o segmento ainda registra ganhos de 1,2% e em 12 meses, mantém avanço de 1,3%. Mesmo com o resultado negativo, as vendas do varejo cresceram 3,4% em comparação com novembro de 2019. Esse crescimento foi resultado, principalmente, das promoções da Black Friday. O recuo no mês de novembro foi causado pelo setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. Este setor apresentou queda de 2,2% no mês de novembro e representa 45% da composição do índice. Esta retração foi causada pela inflação que tem atingido os alimentos, diretamente.


14/01/2021

IBGE aponta que 10 das 15 regiões pesquisadas tiveram alta na produção industrial em novembro.

A Produção industrial nacional apresentou alta em 10 dos 15 locais analisados pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM-Regional), na passagem de outubro para novembro, segundo levantamento divulgado pelo IBGE. Apesar de Pernambuco ter apresentado queda na produção industrial na passagem de outubro para novembro (-1,0%), no acumulado do ano apresentou o maior crescimento dentre todas regiões (3,2%). Na comparação com novembro de 2019, seu crescimento foi de 10,0%.


13/01/2021

Setor de serviços avança 2,6% em novembro e tem 6ª alta seguida.

O IBGE divulgou que o setor de serviços avançou 2,6% na passagem de outubro para novembro, sexto mês consecutivo de alta, superando a expectativa de mercado que esperava crescimento em torno de 1,2%. Apesar do ganho acumulado de 19,2% nesse período, o resultado ainda é insuficiente para compensar as perdas entre os meses de fevereiro e maio do setor, que ainda se encontra 3,2% abaixo do patamar de fevereiro. O setor ainda sofre com as limitações causadas pelo distanciamento social no combate ao COVID-19. Na comparação com novembro de 2019, o setor de serviços recuou 4,8%. Vale lembrar que o setor de serviços representa mais de 70% do PIB, fazendo com que a previsão de queda de 4,5% do PIB esteja cada vez mais certo.


12/01/2021

IPCA fecha 2020 em 4,52%, pouco acima do centro da meta do BC.

O IBGE divulgou o IPCA de dezembro (1,35%) e a inflação do ano ficou em 4,52%, um pouco acima do centro da meta do Banco Central (4,00%). Esta foi a maior elevação desde 2016, quando chegou a 6,29%. O maior responsável foi o grupo Alimentos e Bebidas, com aumento acumulado de 14,09%. Alguns alimentos tiveram elevação ainda maior, como óleo de soja com 103,79%, arroz (76,01%) e leite longa vida (26,93%). O grupo foi responsável por mais de 50 pontos percentuais do IPCA no ano de 2020. A demanda aquecida com o auxílio emergencial, o câmbio valorizado e elevação dos preços internacionais das commodities foram os principais responsáveis.


11/01/2021

Ford anuncia que encerrará suas atividades no Brasil.

A Ford Brasil anunciou que encerrará suas atividades voltadas à produção de veículos e peças no país, mantendo apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia; e, o campo de provas e sua sede administrativa para a América do Sul, ambos em São Paulo. A marca está no país desde 1919. Dificuldades tributárias, incentivos mal alocados, acabam por reduzir a competividade no setor. São 5 mil empregos que deixarão de existir. Ao longo dos anos, os subsídios destinados à Ford não foram suficientes para atenuar a falta de competitividade que o setor tem com o regime tributário do Brasil. A necessidade de uma reforma tributária que simplifique, diminua a carga excessiva sobre a indústria, que transforme o setor industrial em sustentável se faz cada vez mais urgente. Segundo a empresa, o encerramento da produção no país resultará na demissão de 5 mil empregados e um custo de US$ 4,1 Bi, sendo cerca de US$ 2,5 Bi em 2020 e US$ 1,6 Bi em 2021.


11/01/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


08/01/2021

Com crescimento de 1,2% em novembro, indústria tem 7ª alta consecutiva.

O IBGE divulgou a Produção Industrial Mensal com a 7ª alta consecutiva para o mês de novembro, 1,2% em relação ao mês anterior e 2,8% em relação ao mesmo mês de 2019. A recuperação do setor tem sido forte, porém no acumulado do ano ainda apresenta queda de 5,5%. Vale ressaltar que o patamar pré-pandemia de fevereiro já foi ultrapassado desde o mês de outubro quando a alta foi de 1,1%. Em novembro o crescimento alcançou todas as quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados.


07/01/2021

Congresso Americano certifica Joe Biden como Presidente dos EUA.

Após invasão ao Capitólio, o Congresso americano conseguiu certificar Joe Biden como presidente dos Estados Unidos. Com a decisão confirmada, o mercado reagiu de forma bastante positiva, com as principais bolsas apresentando forte elevação. A Nasdaq teve alta de 2,56%, fechando com pontuação acima dos 13 mil pontos pela primeira vez. Já no Brasil, o Ibovespa fechou em alta de 2,76%, terminando o dia com um valor recorde de 122.385 pontos. Um dos pontos relevantes para o otimismo no mercado foi a nota divulgada por Donald Trump se comprometendo em fazer uma transição pacífica no próximo dia 20, apesar de reiterar que discorda do resultado da eleição.


06/01/2021

Democratas assumem controle do Senado e Câmara de Deputados nos EUA.

Com a vitória dos dois candidatos Democratas na Georgia, Republicanos e Democratas ficarão com 50 cadeiras no Senado. Como critério de desempate, o voto de minerva fica sobre a responsabilidade da Presidente do Senado, Kamala Harris, atual Vice-presidente dos EUA. Na Câmara, os Democratas já são maioria. Com este cenário hegemônico, a política econômica americana terá alterações significativas. Uma postura mais regulatória, avanços nos estímulos fiscais, expansão monetária, tributação sobre o setor empresarial, são algumas mudanças que podem ocorrer ao longo do mandato do Presidente Joe Biden, com trâmite facilitado no Congresso Americano. Como consequência espera-se uma desvalorização do dólar e mais inflação nos próximos anos.