PodCasts

14/10/2020

Setor de serviços cresce pelo terceiro mês seguido, mas ainda segue abaixo do período pré-pandemia.

O volume de serviços prestados no Brasil cresceu 2,9% em agosto, na comparação com julho, porém, apesar da terceira alta seguida, ainda não conseguiu reverter as perdas com a pandemia. Nos últimos 3 meses o setor acumulou crescimento de 11,2%. O resultado ainda não foi suficiente para recuperar o tombo de 19,8% entre fevereiro e maio. Os setores de destaque foram beneficiados pela abertura gradual das atividades econômicas. 4 das 5 atividades mostraram avanço no volume de serviços em agosto, com destaque para serviços prestados às famílias (33,3%), impulsionados pela reabertura de restaurantes e hotéis.


13/10/2020

FMI refaz previsão do PIB de 2020 e indica queda menor nas atividades econômicas global e brasileira.

O FMI divulgou sua estimativa para a economia global em seu relatório World Economic Outlook, indicando uma nova projeção para a economia global, com queda de 4,4%, melhora significativa diante do cenário anterior, que indicava queda de 4,9%. Já em relação a economia brasileira, o fundo refez sua estimativa de uma queda de 9,1%, em junho, para uma queda de 5,8%.


12/10/2020

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


09/10/2020

Inflação tem alta de 0,64% em setembro e é a maior para o mês desde 2003.

A inflação fechou em alta de 0,64% no mês de setembro e é a maior alta no mês desde 2003. No acumulado do ano, o avanço é de 1,34% e em 12 meses, de 3,14%. Os dados são do IPCA/IBGE. A inflação segue abaixo da meta central do governo para o ano, que é de 4%, porém agora acima do piso para 2020, de 2,5%. O preço dos alimentos foi o principal responsável pela alta do índice. Todas as regiões apresentaram aumento de preços e o setor de Serviços é o único que ainda apresenta deflação no acumulado do ano.


08/10/2020

Vendas do Varejo tem patamar recorde no mês de agosto

O IBGE divulgou nesta quinta-feira (8) os dados das vendas do setor varejista em agosto e apontou que o comércio varejista cresceu 3,4% na comparação com julho, atingindo o maior patamar de vendas em 20 anos. O setor vem se recuperando continuamente, conseguindo eliminar as perdas com a pandemia e superando em 8,9% o resultado apresentado em fevereiro. No acumulado no ano, porém, o setor ainda aponta queda de 0,9%, enquanto nos últimos 12 meses passou a registrar avanço de 0,5%. O setor teve o maior pico de vendas desde 2000, ficando 2,6% acima do recorde anterior, de outubro de 2014, segundo o IBGE. Estes números estão ligados diretamente à redução do isolamento social e ao Auxílio Emergencial, que impulsionou o consumo das famílias.


07/10/2020

Ministro da Economia Paulo Guedes anuncia que fim do Auxílio Emergencial se dará em dezembro.

Com rumores de uma possível extensão do Auxílio Emergencial até o final do primeiro semestre do ano que vem, o Ministro Paulo Guedes veio a público negar que essa possibilidade exista. O mercado financeiro vem se posicionando de forma temerosa com a possiblidade do furo na lei do teto de gastos, o que impactaria ainda mais as contas públicas, com o fim do estado de calamidade estabelecido durante a pandemia do COVID-19. O Ministro ainda reiterou que não existe uma política voltada à quebra do regime de responsabilidade fiscal em busca de popularidade favorável ao Governo Federal. Anterior à fala do Ministro, a repercussão negativa da possibilidade de extensão do Auxílio fez com que os ativos brasileiros reagissem mal. O Ibovespa caia, enquanto o dólar acelerava ganhos e chegou à máxima do dia, de R$ 5,63. Após a fala do ministro, o mercado se posicionou positivamente. O Ibovespa subiu e o dólar caiu.


06/10/2020

Mercados começam o dia com perspectivas positivas, mas recuam com anúncios de adiamentos de pacotes econômicos.

O mercado brasileiro precificou de forma positiva a reconciliação do Ministro da Economia, Paulo Guedes, com o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em busca da agenda de reformas econômicas que o Brasil precisa e a manutenção do teto de gastos, diminuindo o câmbio e os juros futuros, com elevação do Ibovespa. Porém, ao longo do dia, três notícias foram responsáveis em por “água no chope” dos investidores. Foram elas: A decisão do Presidente dos EUA, Donald Trump, em retardar as negociações do novo pacote de estímulos que visa reaquecer a economia americana para somente depois das eleições presidenciais. A fala negativa do Presidente do FED, Jerome Powell, que a recuperação econômica do Estados Unidos ainda está longe de ser concluída, e que um reflexo negativo pode acontecer caso o coronavírus não seja controlado. Rumores de que o Presidente Bolsonaro irá postergar o anúncio do Renda Cidadã para somente depois das eleições municipais. Estas 3 notícias derrubaram os mercados americano e brasileiro.


05/10/2020

Governo Federal em busca de financiamento para o Programa Renda Cidadã, estuda extinguir declaração simplificada do Imposto de Renda

O Governo Federal estuda possíveis formas de financiamento do novo Programa Social, Renda Cidadã, com a repercussão negativa vinda do mercado com a possibilidade de furo do teto de gastos. O Ministério da Economia planeja formas de remanejamento do orçamento dentro do teto de gastos, visando manter o equilíbrio fiscal nas contas públicas. Umas das opções é a eliminação do desconto de 20% na apresentação simplificada do imposto de renda de pessoa física.


04/10/2020

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado. #EcioCosta #economiaenego?cios #coronavi?rus #economia #ministeriodaeconomia #programanossavoz #GrandeRioFM @nossavoz @granderiofm


02/10/2020

IBGE indica que Produção Industrial tem quarta alta mensal, dando continuidade à retomada da economia.

O IBGE divulgou hoje que a produção industrial brasileira cresceu 3,2% em agosto, na comparação com julho. No acumulado no ano, a indústria ainda acumula uma perda de 8,6%. Em 12 meses, a queda acumulada ainda é de 5,7%. Na comparação com agosto do ano passado, a indústria registrou queda de 2,7%. Dos 26 segmentos pesquisados, 16 apresentaram desempenho positivo na passagem de julho para agosto e 6 já registram ampliação da produção no acumulado no ano, com destaque para produtos alimentícios (5,0%); coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (4,1%); perfumaria e produtos de limpeza (3,4%); produtos farmacêuticos (0,9%); celulose e produtos de papel (0,4%); e, produtos do fumo (3,6%).