PodCasts

01/08/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


30/07/2021

Brasil tem 14,8 milhões de desempregados, segundo o IBGE.

O IBGE divulgou a PNAD Contínua referente ao trimestre encerrado em maio. O levantamento indicou que 14,8 milhões de brasileiros estão desempregados, representando 14,6% de taxa de desemprego. Esse é o primeiro levantamento que compara as bases de períodos dentro da pandemia. Os autônomos foram os únicos que conseguiram manter a base de empregos de cair ainda mais.


29/07/2021

Brasil gerou 1,5 milhão de vagas formais no 1º semestre.

O Brasil apresentou saldo positivo de 1,5 milhão de empregos formais no 1º semestre de 2021. Os dados são do CAGED, agora divulgados pelo recém-criado Ministério do Trabalho e Previdência. No mês de junho foram gerados mais 309.000 empregos, com o setor de serviços liderando e a região Sudeste, seguida pela Nordeste, como principais responsáveis pela geração.


28/07/2021

Estudo realizado pelo Ministério da Economia aponta recuperação econômica mais rápida que nas crises anteriores.

O Ministério da Economia divulgou Nota Técnica destacando a importância do investimento das empresas na recuperação econômica. A Nota Técnica aponta que a atual recuperação está em ritmo mais rápido que das outras recessões enfrentadas pelo país nos períodos de 1980-1983, 2008-2009 e 2015-2016. Apesar da forte queda em 2020 o investimento privado teve forte recuperação, retornando ao patamar pré-pandemia. Segundo o levantamento, foram necessários quatro trimestres para esta retomada. A crise econômica de 2008 precisou de cinco trimestres, por exemplo. A indústria e a produção de bens de capital tiveram recuperações diferentes. A indústria acumulou 1,1% de alta nos últimos 12 meses até abril de 2021, enquanto a produção de bens de capital cresceu 5,1%. No ano 2021, a produção de bens de capital teve alta de 35,6% nos primeiros quatro meses do ano, bem acima da taxa de crescimento da indústria em geral (10,5%), na comparação ao mesmo período de 2020. Esse crescimento forte da indústria de bens de capital indica que as indústrias estão investindo fortemente em sua expansão para 2021.


27/07/2021

FMI melhora perspectiva do PIB para o Brasil e projeção de crescimento agora é de 5,3% em 2021.

O crescimento do PIB Brasileiro foi revisado pelo FMI, que aumentou a expectativa de crescimento em 2021 de 3,7% para 5,3%. Por conta disso, a projeção para 2022 foi ajustada de 2,6% para 1,9%. A projeção de crescimento a nível global não sofreu alteração, mantendo-se em 6% para 2021. Em 2022, a expectativa de crescimento agora é de 4,9%, 0,5 pontos percentuais acima da projeção anterior. Segundo o relatório do FMI, o fator de aceleração do crescimento dos países está diretamente ligado às vacinas. A imunização em massa foi essencial para retomada da atividade econômica das economias do primeiro mundo, o que não aconteceu na mesma velocidade nos países em desenvolvimento, com exceções.


26/07/2021

Nordeste bate recorde na geração de energia eólica e solar, atendendo 100% da sua demanda.

Segundo dados divulgados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a região Nordeste tem se tornado referência em geração de energia eólica e solar no país. A energia eólica produzida no dia 21 de julho foi suficiente para atender quase 100% da demanda da região no dia. As condições climáticas têm favorecido a região que possui um elevado índice de insolação, combinado com ventos fortes que possibilitam um ambiente ideal para geração de energia limpa e renovável. O pico de geração fotovoltaica do dia 19 de julho alcançou 2.211 MW, às 12h14, volume capaz de atender a 20% da demanda do Subsistema do Nordeste naquele momento. No dia 21 de julho, foram gerados 11.094 MW médios a partir da geração eólica, capaz de atender quase 100% da demanda da Região Nordeste daquele dia. Atualmente, 85% da nossa matrizes elétrica vem de fontes limpas e renováveis. No ano de 2021, mais de 3.400 MW entraram nas redes elétricas, com a solar correspondendo a 48% dessa expansão. A energia eólica hoje representa 10,7% da matriz elétrica brasileira, podendo chegar em 11,2% até o final do ano. A energia solar tem 1,9% de toda a matriz elétrica do país, com perspectiva de chegar em 2,6% até o fim de 2021.


25/07/2021

O que vem por aí na Semana Econômica!

Informações importantes, toda segunda-feira, trazendo a semana em indicadores e movimentações da economia e do mercado. Não deixe de escutar e mantenha-se informado.


23/07/2021

IPCA-15 tem maior alta em 17 ano.

O IBGE divulgou os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) para o mês de julho e houve uma elevação de 0,72%. O indicador serve como prévia da inflação oficial, medida pelo IPCA. Essa foi a maior alta para o mês desde 2004. A vilã novamente foi a energia elétrica por conta do reajuste de 0,52% na bandeira tarifária desde o mês de junho. Os planos de saúde pela primeira vez tiveram um movimento contrário, apresentando deflação com -0,24%. No acumulado do ano, o indicador apresenta elevação de 4,88%. Em 12 meses, 8,59%, acima do teto da meta de inflação de 5,25%.


22/07/2021

Mês de junho tem novo recorde de financiamentos imobiliários.

A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) divulgou os dados referentes aos financiamentos imobiliários para o mês de junho, com R$ 19,66 bilhões usando recursos das cadernetas de poupança. É o maior crescimento nominal de toda a série histórica. Esse volume representa um crescimento de 12,5% em relação ao mês de maio e de 112% comparado com junho de 2020. A Reuters destacou que o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) financiou R$ 97 bilhões em novos contratos em 2021, uma alta de 123,9% em comparação ao mesmo período em 2020.


21/07/2021

Arrecadação Federal bate Recorde no primeiro semestre de 2021.

A Receita Federal divulgou os dados referentes à arrecadação dos impostos federais referentes ao 1º semestre. Os resultados indicam que houve um crescimento real de 24,29% em comparação com o mesmo período de 2020. O valor arrecadado foi de R$ 881,996 bilhões. No mês junho de 2021, o aumento real foi de 49,77%, ficando em R$ 137 bilhões. Esse aumento real tem dois componentes: base muito fraca de comparação e crescimento da atividade econômica recente.